.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O telefone tocou de novo

. Feliz Ano Novo 2010!!!!

. Feliz Natal!!!!

. Boa Páscoa

. Selinho que ganhei....

. Vou mudar de sitio....

. O electroencefalograma do...

. Desafios

. O telefonema da Segurança...

. A consulta do Dinis

.arquivos

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Sábado, 9 de Agosto de 2008

Convulsão e hospital de novo

Os chineses dizerm que o nº 8 dá sorte e por isso 8/8/2008 pelas 8h 8m seria uma altura mágica e de muita sorte. Mas para mim, ficará sempre na memória como um dia bem negro na minha vida.

 

Tudo começo no dia anterior, quando fui buscar o meu filho a casa dos meus sogros. Notei que estava um pouco mais mole que o habitual, a pedir para dormir, apesar de ter dormido uma boa sesta. Quanto cheguei a casa vi-lhe a febre e tinha 37,6º, portanto mais quente que o habitual e dei-lhe Ben-u-ron. Dormiu até às 4 da manhã, altura em que me chamou, dizendo que queria fazer xi-xi. Quando o levantei, deitou sangue pelo nariz. Situação já habitual nele, mesmo depois da veia queimada no Hospital da Estefânia. Não foi nada de especial nem em grandes quantidades, por isso controlei a hemorregia, peguei-lhe ao colo e depois de o adormecer, fiquei mais um pouco junto dele. O meu coração de mãe não estava sossegado e ainda bem que assim foi.

 

5 minutos depois abriu os olhos com um ar alucinado e começou a revirar os olhos. Chamei por ele, abanei-o, bati palmas, gritei-lhe aos ouvidos, acendi a luz do quarto, apontei-lhe uma lanterna aos olhos e nada!!! Fiquei em pânico e gritei ao meu marido que tinhamos de ir para o hospital com o menino. Enquanto eu me vestia o pai estava com ele ao colo e tentava que reagisse. Mas nada! Quando veio para o meu colo, para o pai o vestir, notei que ficava mais descontraido, pois os braços e as pernas ficaram rigidos. Perguntei-lhe o nome dele e o meu e ele respondeu correctamente. Mas depois começou a balbuciar coisas sem nexo tipo "gá gá gá" ou "nhã nhã nhã".

 

Fomos para o carro e ele começou a falar melhor mas coisas sem sentido, como "Mão liga o video" ou "vai buscar a bola debaixo da cama". Quando paramos o carro à porta das Urgência do hospital, ele vomitou sangue! Pareciamos sem duvida 2 loucos a correr como menino aos colo pela porta dentro, nem sei se fechamos o carro...

 

Entramos logo e foi visto por uma médica. Chorava sem parar, até que se acalmou comigo a falar com ele e adormeceu.

 

Tinha de fazer análises e raio x ao torax, por causa do sangue que vomitou e ficar em vigilância pelo menos 12 horas.

 

Acordou com a picada para lhe colocarem o cateter e tiveram de o picar 3 vezes, pois a agulha entortava sempre. Fez o raio x e achou piada a tirarem-lhe uma foto com luzes.

 

Tinha 37,8º de febre quando começou a sangrar pelo nariz e o pai deu-lhe Brufen. Quando foi à triagem tinha 37,9º, quando foi visto pela médica já tinha 38,8º...

 

À 1º vista, o vómito de sangue (horrivel, preto, meio digerido e com um cheiro horrivel) devia ser o sangue que tele tinha engolido em vez de explir pelo nariz. mas para despistar algo mais, fez o raio x ao torax.

 

Fomos para o SO por volta das 7 e meia da manhã e foi ai que o meu menino foi vencido pelo cansaço e adormeceu. A enfermeira disse-me para eu me sentar numa cadeira reclinável e descansar um pouco. Acham que consegui? Não despregava os olhos do meu menino, com medo que alguma convulsão voltasse.

 

Tudo me passava pela cabeça, o que seria, se ele iraia ficar bom, se ira ter porblemas mais tarde... As forças que tinha ido buscar sabe-se lá onde estavam por um fio e sentia-me completamente desesperada. Afinal pedi o meu pai no hospital e a minha mãe também...

 

Tinha de estar só eu com o menino, por isso o meu marido foi embora e apesar de ele me ter telefonado várias vezes a perguntar que eu queria que ele me substituisse, eu não podia deixar o meu menino. Nunca mais o vou fazer com ninguém que ele ao hospital. A minha mãe ficou lá e nunca mais a vi com vida, se eu soubesse...

 

O raio x apresentava uns pulmões limpos, a análises de urina estava boa. Só as de sangue apresentavam um infecção, apesar de ser ligueira, sendo que tal indicava que não devia ser meningite nem encefalite, mas tinhamos de ver como a situação ia evoluir e podia vir a ser necessário fazer uma punção para despistar essas doenças.

 

A meio da manhã fomos ao otorrino, que mal lhe mexeu no nariz, desencadeou uma hemorregia brutal. Tiveram de lhe laquear uma veia na narina direita de novo, o que já tinha sido feito no Hospital da Estefânia, o que desencadeou uma gritaria enorme. Como resultado ficou com a parte por baixo do nariz preta e chamuscada, pelo que parece que está mascarado de gato, não  vos parece?

 

 

 Passamos o dia no SO, entre periodos sem febre e outros com febre. De tarde foi dificl baixa-la, mesmo com medicação, pelo que a maldita só baixou à custa de pouca roupa no corpo e compressas de água fria na testa e corpo. Vejma o meu menino, no hospital:

 

 

Se a febre tivesse baixado, tinham-nos deixado sair ainda ontem, mas isso não estava a acontecer. Tinhamos de lá passar a noite.

 

A febre só subiu por volta da 1 da manhã e deram-me um supositório de Ben-u-ron para lhe por. Até este momento a febre não voltou. Por isso, por volta do meio dia, deixamos o hospital, Não sabem de onde veio a febre. Provavelmente uma virose. O sangue foi mesmo o que não deitou pelo nariz e a convulsão pode ter sido pontual ou pode acontecer de novo. Como foi derivada à febre é menos perigoso do que fosse sem febre. Receitram um relaxante muscular para o caso de voltar a acontecer. E disseram para vigiar se ele voltava a ter febre.

 

Vim para casa tão feliz e o meu menino também... Esta manhã ele já tinha voltado a ser o menino que eu conheço, a cantar e cheio de perguntas. Quando chegou a casa estava tão feliz que dava gargalhadas enquanto subia as escadas.

 

E eu? Não ganhei para o susto! Tive muito medo de perder o meu menino ou de ele ter problemas graves de saude. Não sei onde fui buscar forças. Por durmo desde as 4 da manhã de 5º para 6ª feira. Mas não domir descansada nos próximos tempo. E se sucede de novo e eu não dou conta? Será que já alguma vez terá acontecido e eu não dei conta? E se eu não me tivesse deitado ao pé dele? E se eu tivesse adormecido logo? Acho que vou dormir com ele nos próximos tempos, que acham?

 

Estou feliz por o ter de novo bem a meu lado, mas para mim ainda não acabou. Só vou descansar se nos próximos tempos não acontecer nada. Olho para ele e sei que é o sol da minha vida e sem ele nada faria sentido.

 

Já não vamos embora amanhã, como planeado, vamos esperar mais uns dias e se tudo correr bem, vamos então de férias como deve ser.

 

Mas o medo vai ficar entanto me lembrar do terror que foi ver o meu menino sem dar acordo de si. Ou seja, vai continuar para sempre.

 

Se algume tiver experiência deste tipo de problemas, por favor, partilhem comigo, ok?

 

(peço desculpa pelo post aos bocadinhos, mas ainda não devo estar em mim, carreguei no "publicar" sem querer e depois fui actualizando aos bocadinhos...  :)

 

publicado por era1xeu às 19:30

link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.links

.subscrever feeds

.posts recentes

. O telefone tocou de novo

. Feliz Ano Novo 2010!!!!

. Feliz Natal!!!!

. Boa Páscoa

. Selinho que ganhei....

. Vou mudar de sitio....

. O electroencefalograma do...

. Desafios

. O telefonema da Segurança...

. A consulta do Dinis